História da Pink – Especial Outubro Rosa

Posted on Posted in Bem Estar Animal, Notícias, Saúde

Olá pessoal, eu sou a Pink e gostaria de contar um pouco da minha história para vocês.

Sei que muitos irão se identificar e se eu puder ajudar de alguma forma com a minha história, ficarei muito feliz! Eu passei por um câncer de mama, e não foi fácil sabe…

Tudo começou quando minha mãe humana Danielle da Fonseca, minha vó Maria do Carmo e o meu vô Tadeu perceberam um pequeno nódulo em minha mama, como eles sempre me cuidaram muito bem, me levaram até a Clínica Saúde Animal para consultar com o Dr. Naure Rodrigo. Lá me trataram com muito carinho e o Dr. sugeriu que eu realizasse alguns exames. Colheram meu sangue e depois fiz uma pequena cirurgia para fazer uma biópsia. Foi uma semana de espera, eu via que lá em casa estavam todos preocupados, mas eu não sabia o porquê.

Um dia minha família chegou em casa e estavam todos tristes, então eu percebi que a notícia não era boa! O Dr Naure explicou para minha família tudo o que era necessário fazer. Então, eu passei por uma cirurgia onde foi removida toda minha cadeia mamária, me recuperei muito bem, até porque sempre fui muito saudável, a cicatrização ficou perfeita.

Depois disso fomos para o próximo passo, a quimioterapia. Sei que essa palavra assusta, pois também fiquei assustada quando soube, mas o Dr Naure explicou tudo o que poderia acontecer e então ficamos mais calmos. Iniciei as sessões de quimioterapia e sempre acompanhada com exames de sangue, ultrassom e raio x, para saber como meu organismo estava respondendo.

Fiz todo o tratamento, e me curei, isso já faz 5 anos e sou muito grata pela minha vida e pela minha família, e sou muito agradecida ao doutor que orientou minha família direitinho.

Gostaria de compartilhar a minha história para ajudar outras famílias a terem finais felizes como o meu está sendo, é importante procurar ajuda e tratamento, nós não sabemos falar, então, precisamos da ajuda dos nossos tutores, por favor não esperem! E não acreditem quando dizem que não há o que fazer!

Deixe uma resposta